Exames indicados para detectar complicações  pós-covid

Os exames de imagem foram cruciais durante toda a pandemia da Covid-19. Isso porque eles foram os principais meios de detecção do avanço da doença.

O Covid ainda é algo muito novo e cada pessoa apresenta reações diferentes para com o vírus. Há quem apresente sequelas das mais brandas a mais avançadas.

Com o passar do tempo e com a coleta de dados é que se torna possível saber mais sobre as complicações que podem vir acontecer depois de ter entrado em contato com o vírus.

Ao contrário da ideia inicial que se tinha, o vírus não afeta só o pulmão, mas também outros órgãos e sistemas. Veja mais sobre este assunto abaixo.

 

Exames de imagem detectam complicações pós-covid?

Existem algumas mudanças provocadas pelo vírus que só podem ser vistas por meio de um exame de imagem. O vírus SARS-CoV-2 é o segundo capaz de causar a síndrome respiratória aguda grave.

O que se sabe até então é que os sintomas da infecção podem ser muito distintos de uma pessoa para outra. Há estudos que mostram dados onde 88% do tecido pulmonar dos participantes tinham degradação.

A recuperação só começou acontecer por volta de 6 semanas depois de terem tido alta hospitalar. Depois da 12ª semana, esse percentual baixou para 56%, deixando em evidência que o pulmão pode se regenerar de modo espontâneo depois de ter entrado em contato com a doença.

Um ponto negativo é que a regeneração do tecido por completo pode levar muitos anos e em casos mais agudos, algumas mudanças permanentes e comprometedoras podem exigir um transplante de pulmão.

O que o vírus proporciona ao corpo?

O vírus é cruel destruindo as células, causando inflamação aguda e contribuindo para que bloqueios sejam formados nos vasos sanguíneos.

Porém, quando há a morte do tecido local ou sua fibrose, nem sempre isso está atrelado ao vírus da Covid. Às vezes, o que pode ocasionar isso é o efeito colateral de um tratamento intensivo.

Por exemplo, quando há intubação ou quando o paciente apresenta sintomas claros do vírus, mas não vai para o hospital. Isso pode acabar afetando uma parte pequena do pulmão.

No entanto, a menos que a pessoa faça um esforço muito grande que exija uma respiração mais intensa, ela não irá perceber que está sem fôlego. Mas ao invés disso, ela pode sentir:

  • Fadiga crônica;
  • Humor deprimido;
  • Pressão ou dor no peito;
  • Dificuldade em respirar;
  • Falta de ar frequente;

Então, se você ou pessoas próximas a você estiverem sentindo sintomas parecidos, os exames recomendados para este caso são:

  • Raio X de tórax;
  • Tomografia computadorizada.

Esses são os melhores exames para ajudar o médico a traçar seu diagnóstico. Algumas alterações só podem ser vistas por meio desses exames.

Muitas pessoas se questionam qual dos dois exames é o melhor a se fazer. Mas isso vai depender de cada pessoa e cada caso. Então, somente por meio de uma avaliação feita pelo médico é que ele pode dizer qual é o mais indicado.

Complicações cardíacas causadas pela covid-19

A ressonância é o exame ideal para que se possa achar alguma alteração que o corona vírus possa ter causado ao músculo cardíaco. As doenças classificadas como complicação cardíaca pela covid são:

  • Arritmia;
  • Hipertensão;
  • Cardiomiopatia;
  • Insuficiência cardíaca;
  • Miocardite.

Algo que preocupa é que não só as pessoas mais velhas e mais predispostas a desenvolverem complicações são atacadas.

Jovens que tenham tido infecções leves ou até mesmo que não tiveram sintomas, tem um risco bastante alto de desenvolver alguns dos sintomas descritos acima. Esses sintomas podem ser sentidos até 3 meses depois da recuperação.

Acaba sendo necessário então que os pacientes que estiverem apresentando esses sintomas por muito tempo, fiquem sob cuidados de um cardiologista.

Complicação renal causada pelo Covid

Os dados de pacientes da China e da Itália no início da pandemia mostraram que pelo menos uma em cada quatro pessoas que morreram no hospital por covid tiveram complicações renais.

Os rins podem ser afetados por conta dos coágulos do sangue que dificultam a filtragem, gerando uma reação inflamatória em excesso ou hipóxia.

O órgão depois de ter entrado em contato com o vírus pode ter sido danificado por ficar tempo demais sem desempenhar sua função de modo certo.

A tomografia computadorizada pode ajudar o médico a achar fatores que possam ter gerado uma complicação maior na vida do paciente.

O que fazer depois de recuperado?

Uma pessoa que tenha tido contato com a covid não deve se descuidar. Além dos cuidados básicos de higiene para evitar reinfecção, a pessoa precisa estar de olho nos sinais que o corpo emite.

O ideal é manter um acompanhamento médico para que se possa checar como os órgãos têm se comportado durante o período de recuperação do paciente.

Assim, pode-se evitar questões como complicações futuras geradas por conta das sequelas. Diagnosticando esses problemas de modo precoce, já se torna possível agir no combate.

Desse modo, o paciente consegue obter uma qualidade de vida melhor. O recomendado também é para que essas pessoas mantenham repouso durante um certo período.

Isso evita de que os órgãos sejam forçados mais do que o necessário. Se manter hidratado e com uma boa alimentação também são pontos a se prestar atenção.

Ao contrário do que muita gente pode achar, as sequelas não são só internas ou físicas. Pessoas que obtiveram um quadro mais grave sofreram com sua saúde mental e emocional tanto quanto as outras partes afetadas pelo vírus.

As marcas deixadas pelo vírus são graves e merecem total atenção para que o paciente volte a sua normalidade o quanto antes.

 

Conclusão

Por fim, vimos aqui que os melhores exames para indicar sequelas e complicações deixadas pela Covid são os exames de imagemcomo por exemplo a tomografia e ressonância.

Isso porque as imagens produzidas por estes aparelhos conseguem apontar mudanças feitas não só pelo vírus, mas também por outros fatores derivados disso.

Mas, como dissemos, só um médico será capaz de avaliar qual método é o ideal para cada pessoa Conte aqui se você conhece alguém que ficou com sequelas da covid e compartilhe este conteúdo com outras pessoas.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *