Como a saúde bucal afeta na menopausa

A oscilação hormonal que naturalmente se dá no organismo é capaz de interferir no funcionamento de diversos processos, fazendo com que áreas distintas do corpo sejam afetadas. E o mesmo acontece com a menopausa e higiene bucal

 

Isso porque, neste período, as mulheres passam por uma diminuição da produção de hormônios, onde os níveis de estrogênio e de progesterona vão sendo reduzidos aos poucos, fazendo com que todo o organismo sofra com diversas transformações. 

Esse processo tende a acontecer de forma natural com todas as mulheres que possuem entre 45 e 55 anos, mas também pode ser iniciado em decorrência da necessidade de remoção do útero e dos ovários.  

Impactos da menopausa na saúde bucal 

Os hormônios são substâncias químicas que cumprem uma função de mensageiros. Assim, cada tipo de hormônio produzido é responsável pela realização de tarefas específicas que regulam desde o peso, a libido, até os processos menstruais, a fertilidade e o apetite.  

Na cavidade oral, as pacientes que estão na menopausa podem começar a sentir os impactos dessa escassez hormonal de diversas formas, seja nos dentes, nos tecidos gengivais, na língua e até na qualidade e quantidade de saliva produzida.  

Assim, é possível perceber o aparecimento de problemas que afetam tanto as estruturas dentais naturais, quanto os procedimentos odontológicos como a lente nos dentes. Entre as alterações mais comuns, temos: 

  • Aumento da suscetibilidade a cáries; 
  • Sensibilidade gengival; 
  • Perda da massa óssea nas mandíbulas; 
  • Mudanças nas arcadas dentárias; 
  • Xerostomia; 
  • Alteração na coloração das gengivas; 
  • Maior vulnerabilidade a gengivite e periodontite, entre outros. 

 

Em alguns casos, a menopausa pode até fazer com que as mulheres acabem perdendo os dentes – devido ao impacto nas estruturas ósseas que fazem a sustentação dos dentes ou como consequência das inflamações periodontais –.  

 

Por isso, é necessário manter um acompanhamento médico que permita a identificação desses impactos mais sérios e a realização de tratamentos de forma precoce.  

Cuidados e tratamentos que amenizam os impactos da menopausa 

Ainda que os efeitos da menopausa sejam bastante diferentes de um organismo para outro, uma vez que as repercussões podem ter efeitos tão variados e com intensidades tão severas, os cuidados também devem ser diversificados e multidisciplinares.  

Por isso, a primeira medida que deve ser tomada é iniciar um acompanhamento ginecológico e endócrino. Depois, é preciso seguir alguns cuidados específicos para impedir que complicações atinjam a cavidade oral.  

Deste modo, é crucial manter-se atento com: 

  1. Higienização oral redobrada 

Considerando que com a menopausa a boca passa a ficar muito mais suscetível à ação bacteriana, não somente os dentes e a lente de contato dental ficam ameaçadas, mas todos os tecidos que compõem a região. 

Por isso, é preciso redobrar os cuidados com a escovação. Afinal, essa limpeza é a melhor forma de controlar a reprodução dos microrganismos bucais, impedindo a produção de ácidos erosivos que causam as cáries, a inflamação gengival e as doenças periodontais. 

Assim, é recomendado que a escovação seja feita três vezes ao dia – 30 minutos após as refeições – ou após cada uma das alimentações, especialmente antes de dormir.   

  1. Uso diário do fio dental 

Muitos pacientes que utilizam a faceta dente acreditam que o procedimento exclui a necessidade do uso diário do fio dental. No entanto, esse pensamento está incorreto e pode ser muito prejudicial para a saúde bucal das mulheres.  

Isso porque, o uso diário do fio dental é a única maneira de higienizar corretamente o espaço entre os dentes e a gengiva. E esse cuidado é determinante para o impedimento do desenvolvimento de placas bacterianas e a formação do tártaro no local.  

  1. Limpezas profissionais semestrais 

Além dos cuidados individuais, realizar semestralmente a limpeza profissional é muito importante para certificar a saúde e integridade das estruturas dentais. 

Isso porque, esses procedimentos são capazes de realizar a remoção das formações bacterianas dos locais de mais difícil acesso. 

Assim, por meio de um jato de bicarbonato e o uso de aparelhos de ultrassom, o dentista é capaz de limpar os agentes causadores de doenças, realizando a profilaxia e fortalecendo os dentes através da aplicação do gel de flúor.  

  1. Avaliações regulares com o dentista 

Além das limpezas, passar por avaliações completas de toda a cavidade bucal de forma regular, permite que o odontologista encontre problemas nas facetas de resina composta, o início de doenças e inadequações no processo de escovação.  

Em conjunto com esses diagnósticos, nestas consultas é possível avaliar a severidade da xerostomia, recomendando tratamentos que visam reduzir os desconfortos gerados por esse problema, como o uso de enxaguantes especializados, lubrificante lingual ou a terapia com laser infravermelho. 

Conteúdo originalmente desenvolvido pela equipe da Networkflow, especializada em materiais para network, empreendedorismo e dicas para a saúde e retenção de funcionários.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *