Como funciona as armas nucleares da Russia

Como funciona as armas nucleares da Russia

Leia nosso artigo até o final você saberá Como funciona as armas nucleares da Russia e outros países que possuem a bomba atomica.

A tecnologia de uma arma nuclear é tão poderosa que possui um grau de destruição em massa, que consegui destruir um país todo.

Uma  bomba nuclear, ou bomba atômica, é uma arma perigosa com poder de dano extraordinário, por causa da enorme quantidade de energia que ela descarrega. Esta bomba gerencia o ciclo de resposta atômica de divisão de partículas, o que permite uma enorme chegada de energia a partir de uma quantidade limitada de emissão.

História da bomba nuclear

Com o desenvolvimento da Segunda Guerra Mundial, era importante promover todas as armas mais notáveis ​​que pudessem causar efeitos mais notáveis ​​nos inimigos. Com essa expectativa, os americanos iniciaram uma corrida contra a Alemanha nazista para fabricar a principal arma atômica. Essa tarefa ficou conhecida como o “Projeto Manhattan”, que durou de 1942 até 1945, quando o teste principal de um dispositivo de separação atômica foi concluído.

A Segunda Grande Guerra terminou com a utilização das principais bombas nucleares utilizadas no conjunto de experiências da humanidade. As bombas foram lançadas nas áreas urbanas de Hiroshima e Nagasaki em 6 e 9 de agosto de 1945, individualmente. Essas bombas ficaram conhecidas como Little kid e Fat man, em função de suas formas e do limite de explosão de cada uma.

 

Como funciona uma bomba nuclear?

A atividade das bombas atômicas é comparável, contrastando exclusivamente pelo componente utilizado na organização.

Os componentes primários que compõem as bombas são o urânio-235 e o plutônio-239. A bomba atômica acaba com a regra da divisão atômica, que é a separação de um iota temperamental pelo cerco de partículas, como um nêutron. Isso cria uma resposta em cadeia que causa a divisão atômica de diferentes partículas presentes.

Uma vez uma pessoa me perguntou qual era a diferença de uma pistola taurus g2c  para uma arma nuclear.

Com certeza a pergunta foi meio obvia, mas para explicarmos para algumas pessoas, dependendo do tiro da G2C, muitas das vezes não mata ninguem, porem uma arma nuclear afeta a vida de milhões de pessoas ao mesmo tempo.

Bomba de urânio

Um dos componentes utilizados no desenvolvimento de bombas nucleares é o urânio, mas, além de qualquer isótopo de urânio, pode ser utilizado – apenas o U-235 é visto como instável o suficiente por esse motivo. A resposta de separação de uma partícula de urânio-235 é exibida abaixo:

n + 235U92 → 91Kr36 + 142Ba56 + 3n + energia

Observe que cada partícula de urânio que passa por desmoronamento descarrega mais três nêutrons, que, na bomba nuclear, são utilizados para dividir outros três núcleos, produzindo a resposta em cadeia e entregando muita energia, conforme mostrado na figura ao lado:

bomba de uranio

A resposta em cadeia provocada pela divisão atômica do urânio é utilizada como a regra das bombas nucleares.

 

Força prejudicial de bombas nucleares

A força destrutiva das bombas atômicas é estimada em quilotons ou megatons, unidades ligadas à força obliterante de explosivos (TNT). O quiloton é comparável à explosão de 1.000 toneladas de explosivo, e o megaton refere-se a 1.000.000 (1 milhão) de toneladas de TNT.

Para correlação, a bomba nuclear lançada sobre Hiroshima (conhecida como Little kid) tinha uma potência desastrosa idêntica a 16 mil toneladas de TNT, ou no mínimo, 16 quilotons, e a bomba lançada sobre Nagasaki (o Gordo), em torno de 20 mil quilotons. Independentemente dos danos causados, as bombas atômicas utilizadas na Segunda Guerra Mundial não estão entre as mais impressionantes feitas no planeta.

Para dar uma ideia, a bomba com o melhor limite horrendo de todos os tempos, a Tsar Bomb, tinha uma força de dano de 50 megatons.

Little boy

Armas atômicas brasileiras

Embora a quantidade de armas atômicas seja enorme, o Brasil é visto como uma nação liberada das armas de obliteração em massa, que incorporam armas atômicas. Para proclamar tal feito, foi endossado em 1998 o Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (TNP), que espera impedir a formação de novas armas e o aprimoramento dos avanços relacionados à sua criação.

Percebe-se que o Brasil envolve inovação para fins tranqüilos (conforme permitido pela Constituição brasileira), que incorpora usinas termelétricas para geração de energia, uso para fins clínicos, na horticultura, entre outros.

Essa multiplicidade de atividades é controlada e regulamentada por órgãos mundiais, como a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e a Agência Brasil-Argentina de Contabilidade e Controle de Materiais Nucleares (ABACC).

Jovem é o nome dado à bomba nuclear lançada sobre Hiroshima em 1945 pelos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial.

A bomba atômica lançada sobre a cidade de Hiroshima era de urânio-235 e tinha uma força esperada de 16 quilotons (1 quiloton = 1000 toneladas de TNT). Detonou a uma estatura de aproximadamente 570 metros a partir do estágio inicial causou uma névoa de fumaça que chegou a 18 km de altura.

Sua explosão produziu uma bola de fogo com temperatura em torno de 300°C, que chegou a um vão de 2 km de obliteração, além de espalhar uma nuvem radioativa.

Isso provocou a morte do norte de 80.000 vítimas imediatas e uma soma de mais de 140.000 mortes de queimaduras e ferimentos de impacto e danos causados ​​pela exposição à radiação.

Por Victor Ricardo Ferreira
Educador de ciências

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.